Blog

Operações Portuárias: Quais são os principais riscos e ameaças para o setor?

Os portos do Brasil possuem grande importância na logística nacional e internacional: eles são um elo entre os diferentes modais de transporte de cargas e o acesso aos mercados consumidores. E mesmo diante da crise global do último ano, o segmento mostrou sua resiliência. A movimentação de cargas no setor portuário cresceu 9,4% no primeiro semestre de 2021, movimentando 591,9 milhões de toneladas, de acordo com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).


O que se espera para um futuro próximo é mais desenvolvimento. Segundo o Ministério da Infraestrutura, a carteira de projetos 2021-2022 nos setores portuário, aeroportuário, rodoviário e ferroviário passa dos R$ 200 bilhões. Também podemos citar programas como o “BR do Mar”, que visam estimular o uso da cabotagem, aumentar a frota nacional e equilibrar a matriz de transportes no país.


Se por um lado as expectativas são otimistas, por outro, essa demanda vem acompanhada pelos desafios da formação de um ambiente seguro para um desenvolvimento bem estruturado.



Os riscos climáticos, logísticos e cibernéticos das operações portuárias

O gerenciamento de riscos tem sido uma importante estratégia para proteger empresas e negociações, prevenindo e mitigando perdas. No transporte marítimo não é diferente. Estudos recentes destacam algumas preocupações que devem pautar o planejamento de agentes portuários.


Um dos principais temas é o impacto das mudanças climáticas que devem ser cada vez mais severas, com potencial de gerar uma série de prejuízos para economia nacional. É o que alerta o estudo Impactos e Riscos da Mudança do Clima nos Portos Públicos Costeiros Brasileiros, desenvolvido pela consultoria WayCarbon em parceria com a agência de desenvolvimento alemã GIZ e com participação da ANTAQ e INPE.


Dentre os riscos analisados pelo estudo, os vendavais foram os que se mostraram como o mais crítico, considerando os cenários futuros: 33,3% (7 de 21) dos portos já possuem risco “alto” ou “muito alto” em relação aos vendavais, podendo passar para 76,2% (16 de 21) no ano de 2050.


Outra preocupação é o índice de risco de aumento do nível do mar: dos 21 portos públicos analisados, 11 deles, ou 52% dos portos envolvidos na pesquisa, sofrerão, até 2030, com risco de aumento do nível do mar “muito alto” ou “alto”, o que deixará suas instalações mais expostas a inundações, por exemplo.


Em paralelo, acidentes com embarcações ainda são um ponto de atenção, e as operações com mega-navios geram alerta. De acordo com o estudo “Safety & Shipping Review 2021” da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS), houve mais de 870 perdas de navios durante a última década, sendo que os navios de carga foram responsáveis por 40% das perdas totais.


O bloqueio do Canal de Suez pelo navio porta-contêineres Ever Given em março de 2021 foi mais um exemplo de uma lista crescente de incidentes com grandes embarcações ou mega-navios. Os navios se tornaram cada vez maiores à medida que as empresas de navegação buscam economia de escala e eficiência de combustível. No entanto, de acordo com a AGCS, as embarcações maiores apresentam riscos únicos. Responder a incidentes deste porte é mais complexo e caro.


“Se o Ever Given não tivesse sido liberado, a recuperação teria exigido o longo processo de descarga de cerca de 18.000 contêineres, o que exigiria guindastes especializados. A remoção dos destroços do grande porta-aviões, Golden Ray, que virou em águas norte-americanas em 2019 com mais de 4.000 veículos, levou mais de um ano e meio e custou centenas de milhões de dólares,” exemplifica o estudo.


Por fim, e não menos importante, o relatório também observa que todas as quatro maiores companhias marítimas do mundo já foram atingidas por ataques cibernéticos, e com os conflitos geopolíticos cada vez mais disputados no espaço cibernético, cresce a preocupação com um ataque potencial às infraestruturas marítimas críticas, como um grande porto ou rota de navegação.


Os principais seguros para operações portuárias

Diante dos riscos da atividade, atuar na logística marítima exige um grande preparo. Incidentes dos mais variados fatores podem gerar prejuízos expressivos e perda de competitividade nas negociações.


Cada operação pode apresentar riscos diferentes, por isso, saber analisar tal exposição e encontrar as opções mais adequadas para proteger cada parte envolvida é fundamental para uma proteção eficiente.


Entre as principais modalidades indicadas para o ramo, podemos destacar:


  • Seguro RC Operador Portuário: Garante prejuízos pelos danos materiais e/ou corporais causados a terceiros, no interior ou entorno da área portuária.
  • RC Danos Ambientais: Proteção contra danos ao meio ambiente decorrentes de atividades industriais ou movimentação de determinadas mercadorias.
  • Responsabilidade Civil do Transportador: Seguro de cargas para empresas transportadoras para movimentação de mercadorias de terceiros.
  • Transporte Nacional: Seguro de cargas para o embarcador, proprietário da mercadoria, durante o transporte em território nacional.
  • Transporte Internacional: Seguro de cargas para o embarcador, proprietário da carga, durante o transporte internacional de mercadorias por importação ou exportação.
  • Seguro para Riscos Cibernéticos: Resguarda a responsabilidade da empresa referente a proteção, gestão e manuseio de dados e as consequências das perdas de informações corporativas.


Saiba mais sobre gerenciamento de riscos para logística e transporte

A Zattar Seguros é especialista em soluções para transportadoras e embarcadores na movimentação de cargas em território nacional e internacional em todos os modais.

Contamos com uma Célula Interna de Prevenção de Perdas, formada por profissionais com mais de 15 anos de experiência atuando nas principais gerenciadoras de risco do país. Entre em contato e descubra como podemos ajudar o seu negócio!